O modelo de negocio é a forma em que a empresa cria e captura valor para todos os seus principais públicos de interesse, colhendo vantagens para seus clientes. Pensando estrategicamente, esta é uma preocupação constante para os empreendedores. Mas como saber se a sua empresa precisa investir em um novo modelo- e que transforme a forma de gerar valor?

  Todas os segmentos empresariais podem apresentar um modelo de negócio dominante. Donos de supermercados, por exemplo, seguem a mesma maneira de venda, criando um estilo único que todos os concorrentes respeitam. Podemos dizer que este modelo está próximo da máxima eficiência, ou seja, não há muito o que melhorar. Quais os caminhos para ganhar com esta regra de jogo? Ser o líder deste modelo dominante ou criar um novo modelo que transforme a base de geração de valor.

Os analistas das instituições financeiras reduziram a estimativa de inflação para este ano, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 4,43% para 4,36%. Foi a oitava redução seguida do indicador.

As expectativas dos analistas do mercado financeiro foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e divulgadas nesta quarta-feira (1º) por meio do relatório de mercado, também conhecido como Focus. Mais de cem instituições financeiras foram ouvidas.

Quem nunca sonhou em abrir um negócio, ser seu próprio chefe e ganhar muito dinheiro? Essa é, sem dúvida, a vontade de muitos brasileiros. Mas é preciso cuidado para que o desejo em excesso não ofusque a importância de seguir algumas regras básicas do empreendedorismo, evitando que você enfie os pés pelas mãos.  

“O empreendedor brasileiro é diferente dos empreendedores de países desenvolvidos. O brasileiro não quer empreender, ele tem a necessidade de fazer isso”, diz Fabiano Nagamatsu, consultor do Sebrae. “Às vezes, ele está tão focado em acertar que acaba pecando em coisas básicas, e se dá mal.”

Como fazer um cálculo realista sobre faturamento do meu negócio no business plan?  

O business plan (plano de negócios) de uma empresa é peça fundamental para melhor entendermos as especificidades do negócio, suas perspectivas e chances de sucesso. 

A confiança dos comerciantes aumentou 18,6% em relação a fevereiro de 2016, segundo o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), divulgado hoje, 21, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Essa é a oitava taxa positiva consecutiva nesta base de comparação. Em relação ao mês passado, o índice aumentou 1%, com ajuste sazonal, alcançando 95,5 pontos. O resultado abaixo da zona de indiferença (100 pontos), no entanto, ainda indica atenção por parte dos comerciantes em relação às condições do mercado de trabalho e restrição de renda das famílias. “As reformas e medidas de ajuste em andamento no Congresso, aliadas à queda dos juros e redução da inflação, propiciam um ambiente mais favorável aos investimentos, estimulando a confiança dos comerciantes. As vendas do comércio em 2017 devem experimentar ritmo menos intenso de queda, com relativa estabilidade”, aponta a economista da CNC Izis Ferreira.

Subcategorias