A campanha para arrecadação de computadores para estudantes em situação de vulnerabilidade, promovida pela Fundação da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF), desdobrou-se em uma oportunidade de profissionalização para jovens e adultos da Cidade Estrutural. As aulas de manutenção e configuração de computador ocorrem na creche Casa de Paternidade, que recebeu parte das doações, para alunos entre 16 e 30 anos.

A campanha promovida pela Fundação CDL para arrecadar computadores para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade terem acesso à educação a distância repercutiu em veículos locais. A divulgação, além de reforçar o comprometimento da CDL em promover bem estar social, ajudou a dar mais visibilidade à iniciativa, que recebeu mais 14 computadores e três smartphones. Todos passarão por manutenção na sede da entidade antes de seguirem aos locais de destino.

A Fundação da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF) promove campanha para arrecadar computadores para que crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social tenham acesso à educação a distância. A entidade já doou oito máquinas à Creche de Paternidade, na Estrutural. Em decorrência da pandemia, os serviços da creche foram suspensos, mas ela está servindo como local de estudo para crianças e adolescentes assistirem às aulas online das escolas. Outros dois computadores seguirão para o mesmo destino após manutenção, feita na sede da CDL-DF.

 

VEM AÍ mais uma edição do Juntos Pelo Brasil. Dessa vez, convidamos David Lederman, organizador dos eventos oficiais do Disney Institute no Brasil. Acompanhe essa LIVE imperdível e aprenda a encantar seus clientes, de acordo com os ensinamentos da Disney.

O Senado aprovou, na última quinta-feira, 6, o projeto de lei que limita os juros anuais de cartão de crédito e cheque especial durante a pandemia a 30% e até 35%, no caso das fintechs. O projeto prevê que as taxas voltem aos patamares anteriores, após esse período. O texto agora segue para a Câmara dos Deputados e, se aprovado sem alteração, vai para a sanção do presidente Jair Bolsonaro. O Ministério da Economia, o Banco Central e os bancos são contra a proposta.