Embora a inadimplência atinja 41% da população adulta do país, o volume de consumidores com contas em atraso que conseguiram quitar parte dessas dívidas cresceu 4,93% em agosto no acumulado em 12 meses. Trata-se da alta mais expressiva desde setembro de 2015, quando o crescimento observado fora de 5,8%. Já na comparação mensal, isto é, com entre agosto e julho, o avanço da recuperação de crédito foi de 4,2%. Os dados compõem o Indicador de Recuperação de Crédito mensurado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e é obtido a partir das exclusões de registros de inadimplência mediante pagamento integral da dívida ou renegociação do débito.

Produzir, despachar, acompanhar e entregar! Esses processos fazem parte da área da Logística, um dos pilares mais importantes para algumas empresas de determinados segmentos que desejam não só estar à frente de seus concorrentes e conquistar a satisfação dos clientes, mas, principalmente, se consolidar no mercado.

Que os Millennials são diferentes, isso todo mundo já sabe. Essa geração livre e pensadora, classificada como hiperconectada e questionadora, valoriza a experiência de compra e é vista como um desafio para os varejistas, que têm precisado se reinventar para se destacar e conquistar a atenção desse público acostumado com muitas informações diferentes ao mesmo tempo. Hoje, fruto dessa nova geração consumidora, a digitalização é um caminho sem volta que o varejo irá ou deverá seguir, pois já se tornou um fato corriqueiro os supermercados conviverem com uma nova classe consumidora denominada “shopper”, que não necessariamente é o consumidor final, cujo ponto de contato é o meio digital.

 

Seja tentando realizar mais tarefas em um dia, mais trabalhos por técnicos por ano ou mais consertos realizados na primeira tentativa, existem diversas maneiras testadas ao longo do tempo para demonstrar o desempenho do serviço em campo por meio de métricas.

A consultoria nacional E-Consulting Corp. analisou as maiores empresas com negócios no varejo para saber quais estão mais avançadas e consolidadas no que tangem aos conceitos e práticas de transformação digital em seus modelos de negócio.

O objetivo do estudo foi medir como o varejo usa os elementos da transformação digital de forma inteligente, tanto de dentro para fora, como de fora para dentro. As empresas que oferecem a tecnologia de maneira mais funcional, indo além do quesito inovação, foram as que tiveram mais destaque na análise. “Não é só adquirir novas tecnologias. É saber adotar”, diz Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting e responsável pelo estudo “Régua da Transformação Digital no Varejo”.