Conhecer histórias de quem passou por situações parecidas às suas e conseguiu criar empresas de sucesso não lhe garantirá um futuro promissor – mas pode ser o incentivo que faltava para você dar mais um passo em direção a ele.

A polarização tem sido uma tendência mundial nos últimos anos e no Brasil não é diferente. Depois de enfrentar a pior recessão da nossa história com uma taxa de desemprego que chega a 13% e uma corrupção escandalosa que minou a confiança na maioria dos políticos, o Brasil elegeu um novo presidente – Jair Bolsonaro.

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) subiu 5,7 pontos na passagem de novembro para dezembro, atingindo 105,1 pontos, no maior patamar desde abril de 2013, quando estava em 105,6 pontos, informou nesta quarta-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador avançou 5,5 pontos, na terceira alta consecutiva.

Faltando apenas uma semana para o Natal, alguns consumidores brasileiros não perdem o velho costume de deixar tudo para a última hora. Dados apurados em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) estimam que 9,3 milhões de pessoas pretendem realizar as compras de Natal apenas nesta semana que antecede a comemoração, o que representa 8% dos consumidores que têm a intenção de presentear alguém neste fim de ano. O percentual é similar com o observado no Natal do ano passado, que estava em 9%.

Originado da palavra “Brand”, que em português significa “Marca”, o termo “Branding” não tem uma tradução exata no nosso idioma, mas nada mais é que um conjunto de ações para a construção e gestão da imagem de uma empresa. Seu principal objetivo é expandir o alcance positivo das marcas, fazendo com que estas sejam itens de desejo. Em nosso dia a dia vemos frequentemente exemplos de branding, ou seja, logo vem na memória assim que se pronuncia o nome, como é o caso do McDonald’s, Google, Apple e Adidas, por exemplo.