Empurrar seus produtos com insistência para o cliente ou tentar sempre vender o que é mais caro pode ser um tiro no pé. Em vez de aumentar suas vendas, você acaba perdendo consumidores por falta de bom senso. 

No Dia do Consumidor, EXAME.com mostra 10 práticas abusivas que afastam os clientes da sua loja. Várias delas ferem o Código de Defesa do Consumidor, outras simplesmente impedem que você crie uma relação de fidelidade. Confira o que você não deve fazer na sua loja:

Nesta quarta-feira (15) é comemorado o Dia do Consumidor, e várias lojas oferecem promoções e condições especiais de pagamento em homenagem à data. O presidente da CDL-DF, José Carlos Magalhães Pinto, está otimista com as vendas, mas lembra que, em tempos de dificuldade econômica, é preciso consumir com consciência.

A economia apresenta sinais de melhora, e o número de inadimplentes do DF caiu 4,62% em fevereiro deste ano, em relação ao total registrado no mesmo mês do ano passado, enquanto no cenário nacional, a média foi de leve aumento: 0,41%. Com a injeção de cerca de R$ 792 milhões na economia da cidade, oriundos dos saques de contas inativas do FGTS, iniciado na última sexta-feira (10), José Carlos defende a tese de que o primeiro passo deve ser quitar dívidas e negociar juros. “Esse recurso extra será uma boa oportunidade para muitas pessoas limparem seus nomes ou ao menos iniciarem a quitação de dívidas, além de comprarem produtos que fazem parte da lista de desejos de qualquer consumidor”, aponta.

Na próxima quinta-feira (16), Brasília recebe o Programa Nacional de Desenvolvimento do Varejo (PNDV), uma parceria da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), duas das maiores instituições especializadas em pequenos negócios e varejo no Brasil. O evento será realizado na Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF).

Para o presidente da entidade, José Carlos Magalhães Pinto, trata-se de uma oportunidade única para os lojistas (de micro, pequenas e mesmo grandes empresas) da capital. “Esperamos pelo menos 60 empresários da cidade, que vão poder entender melhor o consumidor brasiliense, conhecer ferramentas tecnológicas e, assim, se adaptar e começar a implantar a inovação nos negócios”, ressalta.

Neste episódio do Personal Branding Drops, Daniela Viek compartilha orientações que vão ajudar você a cuidar melhor de sua marca pessoal e construir uma presença forte no mercado.

Assista ao vídeo aqui

Fonte: Administradores

Os números confirmam o que os brasileiros sentem no bolso há dois anos: o país vive a pior recessão de sua história. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 3,6%, com queda generalizada em todos os setores da economia, levando o país ao mesmo nível de 2010, apontam dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O tombo é ligeiramente menor do que a retração de 3,8% de 2015, mas coloca o país numa crise sem precedentes. É a primeira vez que o Brasil tem dois anos consecutivos de contração no PIB desde o início da série histórica do IBGE, em 1996. Antes, isso só havia ocorrido em 1930 e 1931, quando os recuos foram de 2,1% e 3,3%, respectivamente.

A expectativa para este ano, no entanto, é positiva. Os especialistas acreditam que alguns setores podem registrar números positivos já nos primeiros três meses do ano. Para os analistas, a sequência de trimestres em retração, que configura uma recessão econômica, deve acabar no primeiro semestre. “O fundo do poço passou”, afirmou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, que estima alta de 0,3% em 2017. “O resultado do PIB de 2016 não surpreendeu, mas reflete o passado. A retomada para 2017 já foi contratada. A safra recorde e a capacidade industrial ociosa vão sustentar o crescimento”, estimou.