Essa semana muito se falou das propostas do governo federal para a Reforma Tributária. Há dois projetos em discussão: um que institui a CBS, com alíquota de 12%, para substituir o Programa de Integração Social-PIS e a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social-Cofins (PL 3887/20); outro propõe alterações no Imposto de Renda para pessoas físicas e jurídicas e a tributação de lucros e dividendos (PL 2337/21). Estamos em um momento decisivo para a economia do país e a reforma é inadiável, mas não deve ser decidida de forma precipitada para que erros graves sejam cometidos. 

Acreditamos que a criação de uma comissão especial para deliberação é fundamental. As mudanças devem visar a simplificação do sistema tributário e medidas que não comprometam ainda mais as atividades do setor produtivo, como o aumento de tributos, por exemplo.

O Brasil precisa de um sistema tributário que favoreça um ambiente de negócios e estimule o investimento e, consequentemente, o crescimento econômico e o desenvolvimento social.

Wagner Silveira Jr.
Presidente da CDL-DF