A Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF) e a CDL Jovem DF consideram a decisão do governo federal de aumentar tributos sobre combustíveis prejudicial para a economia do País. Na avaliação das entidades, a arrecadação tributária pode aumentar com o crescimento econômico e a racionalização das despesas, sem afetar negativamente alguns setores – e, consequentemente, o bolso dos consumidores.

 

O aumento de PIS e Cofins anunciado nesta quinta-feira (20) impacta, além do custo dos combustíveis, o de transportes, que inevitavelmente recaem sobre o valor final dos produtos. “Logo agora que o mercado tem mostrado sinais de melhora, com a inadimplência em queda, especialmente no Distrito Federal, o aumento de preços pode fazer com que caia o consumo e que, possivelmente, o número de inadimplentes volte a subir”, sinaliza o presidente da CDL-DF, José Carlos Magalhães Pinto.

 

Na capital, os setores de comércio e de serviços são os que mais empregam e criam vagas - segundo a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (PDAD) do DF, feita pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), 27,6% da população ocupada trabalha no varejo. Ou seja, são grandes responsáveis pela retomada econômica.

 

“Acreditamos que o poder público deva estimular as atividades de ambos”, opina o presidente da CDL Jovem DF, Raphael Paganini. "Somos a favor de uma ampla reforma tributária que corrija distorções e que permita o desenvolvimento do setor produtivo, consequentemente, aumentando a arrecadação tributária por meio do crescimento econômico."