O cenário está novamente incerto. Esta nova onda de coronavírus, apesar de menos letal, tem preocupado todos, principalmente, o varejo. Apesar disso, estamos esperançosos que a situação não se agravará, pois a vacinação e a experiência nos tornam mais preparados.
Sabemos que o comércio não é o grande responsável pela alta dos casos da doença, mas, ainda assim, é necessário reforçarmos a importância de continuarmos com os cuidados contra o coronavírus nas nossas lojas.

Lar de Eurípedes recebe doação de 50 Kits de higiene bucal


Na sexta-feira, 7, a Fundação, em parceria com o Rotary International, doou 50 kits de higiene bucal para as crianças, adolescentes e cuidadores que vivem no Lar de Eurípedes. Além dos Kits, as crianças da Instituição também foram presenteadas pela presidente da Fundação CDL-DF, Andrea Vasquez, com um lindo unicórnio de pelúcia gigante e fofinho.

Fundado em 2008, o Lar de Eurípedes atua no atendimento de crianças e adolescentes em trabalhos assistenciais ou que, por motivo econômico, maus tratos, negligência, entre outros, vivem em situação de vulnerabilidade social e precisam de um abrigo.

A Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) publicou, nesta terça-feira (11), a Portaria 214/2022, que instituiu o Programa de Regularização Fiscal de Débitos do Simples Nacional inscritos em dívida ativa da União até 31/01/2022. O prazo para adesão ao novo Programa de Regularização Fiscal de Débitos do Simples Nacional, criado pela portaria 214/2022, termina no próximo dia 31 de março.

O senador Jorginho Mello (PL -SC) chega nesta terça-feira (11) a Brasília com uma proposta de solução para o veto ao Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (Relp). Esse programa visava beneficiar pequenas e microempresas e também microempreendedores individuais — os MEIs — com o parcelamento de dívidas em até 15 anos, mas foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro (VET 8/2022).

No último mês, com a Lei Distrital 6993/2,1 entrou em vigor uma alíquota de 18% para compras internacionais. A medida visa a diminuir a evasão de dinheiro do consumidor do Distrito Federal e, consequentemente, fortalecer a economia. Antes a alíquota variava de 12% a 35% e agora é única, o que desburocratiza e facilita a fiscalização.