Assim como o cartão de crédito, o cheque especial é uma das modalidades de crédito mais populares entre os consumidores brasileiros. Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todo o país revela que 17% dos consumidores recorreram ao cheque especial nos últimos 12 meses ― sobretudo as classes A e B (29%) ―, sendo que quase a metade (46%) possui o hábito de entrar todos os meses e 20% a cada dois ou três meses. Por outro lado, 80% afirmam não ter usado o limite neste período.

Um estudo realizado pela empresa de pesquisa GfK apontou que a categoria de Tv’s cresceu 27% em faturamento e 21% em unidades comercializadas na comparação com o mesmo período do ano anterior. A pesquisa contempla os meses entre janeiro e abril de 2018.

O Dia do Orgulho LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros e Intersexuais) foi comemorado na última quinta-feira. Quando o assunto é mercado de trabalho, porém, não há muito o que se festejar: esses trabalhadores ainda são discriminados no mundo corporativo. De acordo com estudo da consultoria Santo Caos, 43% dessa população sofre com o preconceito pela orientação sexual ou pela identidade de gênero no trabalho. Outra pesquisa da empresa de recrutamento Elancers mostrou que duas a cada 10 empresas não contratariam pessoas LGBTI para cargos de chefia. Apesar de o atraso ainda ser grande, há companhias que entenderam que investir em diversidade traz mais chances de sucesso. Segundo o Banco Mundial, o custo da discriminação sexual poderia corresponder a 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Consideradas como iniciativas fundamentais para os lojistas alavancarem suas vendas, as grandes plataformas de marketplaces podem se tornar uma dor de cabeça ao comerciante em termos de custo – e também de fidelização do cliente – caso o ingresso nesses ambientes ocorra de forma mal planejada.

O varejo internacional está sempre em movimento. Somente nos EUA, o segmento alimentar movimenta 700 bilhões de dólares ao ano. Já na Europa os alimentos orgânicos seguem em alta, gerando vendas no valor de 33,5 bilhões de euros no último ano. Tanto os americanos, quanto os europeus se destacam por oferecer produtos diferenciados e atendimentos inovadores. E o que os varejistas brasileiros podem aprender com os líderes mundiais?