A percepção da CNDL sobre o aumento do consumo como agente impulsionados da gradativa recuperação da economia, apresentou os primeiros resultados concretos com a divulgação hoje (01) pelo IBGE da alta de 0,2% do PIB de abril a junho, em relação aos três meses anteriores. Se considerarmos igual período de 2017, o crescimento foi de 0,3%.

Em cada dez usuários de cartão de crédito no Brasil, quatro (39%) aumentaram o valor da fatura no último mês de julho, segundo dados apurados pelo Indicador de Uso do Crédito do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). Para 33% dos consumidores ouvidos, a fatura se manteve estável na comparação com o mês anterior à pesquisa, enquanto 24% conseguiram diminuir o valor cobrado. Segundo a sondagem, o valor médio das faturas em julho foi de R$ 883.   

A  inflação registrada em agosto no Distrito Federal foi a maior do país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice (IPCA) chegou a 0,45% contra 0,19% da média nacional. O grande vilão e responsável pela alta na capital federal foi a gasolina, com aumento de 12,26% apenas em um mês.

Os funcionários são seus ativos mais valiosos. No entanto, muitas empresas ignoram isso e os tratam mal. Afinal, Por que líderes precisam ouvir mais seus liderados? Você está sentado em cima de um baú de tesouro. Por que não abri-lo?

 

1. Seus empregados no front conhecem os clientes como ninguém. Eles interagem com os consumidores diariamente. Eles têm experiência em primeira mão sobre o que está acontecendo. Eles sabem as respostas sobre como melhor o atendimento e os produtos.

 

Consultar a internet antes de ir às compras já se tornou um hábito comum. Dados de uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todas as capitais do país mostram que 47% dos consumidores com acesso à internet assumem o costume de sempre fazer pesquisas online antes de concretizar uma compra em loja física. Os tipos de informações mais buscadas são os preços (30%), os detalhes e as características dos produtos ou serviços (12%) e a opinião de outros clientes (5%). Apenas 13% dos entrevistados compram em lojas físicas sem fazer qualquer consulta prévia no ambiente online. Outros 40% recorrem à consulta eventualmente, a depender do tipo de produto ou serviço a ser adquirido.

 

Os celulares (59%) são os que mais geram pesquisas eventuais na internet antes de se efetivar a compra na loja física. Em seguida aparecem os eletrodomésticos (54%), eletrônicos (50%) e acessórios para celulares, tablets e computadores (25%). Os livros são citados por 19%, assim como as viagens. Itens de vestuário, calçados e acessórios, como bolsas e cintos têm 17% de menções.