Você tem alguma dúvida do quanto o Google sabe sobre sua vida? Provavelmente, nem ele mesmo é fascinante observar o quanto a empresa consegue obter e processar informações que podem orientar e antecipar movimentos e tendências de comportamento humano. Em uma visão mais detalhada, o Google consegue extrair insights incrivelmente precisos sobre o comportamento dos consumidores no mundo inteiro. Essa capacidade foi demonstrada no Shoptalk, em uma apresentação impactante de Daniel Alegre, líder da área de varejo e bens de consumo da empresa situada em Mountain View.

A edição do mês de fevereiro da Varejo SA traz uma cobertura especial da NRF Retail’s Big Show 2019, que ocorreu nos Estados Unidos e que a CNDL participou. Os principais assuntos abordados foram a importância da inovação, das startups e da tecnologia para o futuro do varejo. Outro destaque é uma matéria sobre Carnaval, como os bloquinhos de rua cresceu por todo Brasil e geraram um nicho de vendas.

No Carnaval é muito comum o roubo ou a perda de objetos pessoais, principalmente, documentos. A aglomeração nos locais de folia favorece esses tipos de ocorrência. Além do transtorno de ter que retirar a 2ª via, a pessoa ainda corre o risco de ter os seus dados roubados e usados para compras e empréstimos. E a alegria dos dias de festa pode se transformar em dor de cabeça. Para se proteger, qualquer um pode solicitar gratuitamente o serviço Alerta Cheques e Documentos do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

O Carnaval está chegando e muitos brasileiros já se preparam para a maior festa popular do país — seja para curtir os bloquinhos, seguir os trios elétricos ou apenas descansar durante o feriado prolongado. Um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em todas as capitais mostra que seis em cada dez consumidores (62%) pretendem cair na folia pelos próximos dias.

Mesmo com a melhora do cenário econômico, a inadimplência entre empresas ainda cresce, mas em ritmo menor do que o observado em meses anteriores e no auge da crise. Em janeiro, o número de empresas com contas em atraso e registradas no cadastro de inadimplentes cresceu 5,91% ante o mesmo período de 2018. Na comparação com dezembro de 2018, o avanço foi de 7,44%.