Administrar um negócio não é nada fácil – mesmo que ele conte com o suporte de outro empreendedor, como ocorre nas franquias. Os últimos anos, marcados pela recessão econômica, só dificultaram essa tarefa.   Mas, para algumas pessoas, a crise não impediu a expansão dos negócios. É o caso, por exemplo, dos multifranqueados: empreendedores que cuidam não só de uma unidade franqueada, mas de várias – sejam elas da mesma rede ou de redes diferentes.

Influenciada por uma melhora na avaliação da situação atual, a confiança dos empresários do comércio teve pequena alta em janeiro, de acordo com sondagem mensal realizada pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O Índice de Confiança, síntese da pesquisa, subiu 0,6 ponto, ao passar de 78,3 pontos em dezembro de 2016 para 78,9 pontos no primeiro mês deste calendário, o maior nível desde outubro passado. Na métrica de médias móveis trimestrais, contudo, o índice caiu 0,3 ponto. Na comparação com janeiro de 2016, houve alta de 9,5 pontos.

Em 2016, 8,9% das famílias endividadas não conseguiram quitar os débitos e permaneceram inadimplentes. Isso representa um aumento de 25,2% de famílias nesta condição em relação ao ano anterior. É o que aponta a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) Anual da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgada nesta terça-feira (24).

O número de empresas inadimplentes subiu 5,01% no ano passado, segundo indicador calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).