Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que a retomada da economia teve seus primeiros reflexos na confiança dos consumidores e aumento do consumo. As consultas para vendas a prazo na semana anterior ao Natal (entre 18 e 24 de dezembro), a data comemorativa mais lucrativa para o varejo no ano, aumentaram 4,72% na comparação com 2016. Trata-se do primeiro ano de crescimento após três anos consecutivos de retração e a data comemorativa de 2017 com o aumento mais expressivo: Páscoa (+0,93%), Dia das Mães (-5,50%), Dia dos Namorados (-9,61%), Dia dos Pais (-2,18%), Dia das Crianças (+3,00%).

A grande meta dos brasileiros para 2018 é juntar dinheiro, diz pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Quase metade dos brasileiros entrevistados na pesquisa (45%) disse que pretende juntar dinheiro este ano ou sair do vermelho (27%).

Para muitos, 2017 ainda foi um ano de ressaca da crise, em que empresas passaram por dificuldades e reduziram seu tamanho. Nesse cenário, muitos empreendedores deixaram o planejamento dos seus negócios de lado este ano.

O ano que se aproxima promete ser de fortes emoções. Ao que parece, a crise econômica começa a dar uma trégua, mas num cenário marcado por eleições presidenciais, todo cuidado é pouco. Nesse sentido, nada melhor que um bom planejamento, traçando diversas hipóteses para 2018.

Os planos de ano novo compreendem uma retomada à rotina já no dia 2 para boa parte das pessoas. Mesmo que não voltem à rotina para valer, os consumidores começam a por em prática alguns de seus planos. No Brasil, as atividades econômicas demoram ainda para retomarem o ritmo normal. Só depois do carnaval as coisas voltam ao seu ritmo normal. É possível, porém, engajar os consumidores o mais rapidamente possível, aproveitando os planos que fizeram na virada do ano.