A Black Friday é reconhecida como uma das principais datas do varejo mundial – e no Brasil não é diferente. A iniciativa, que acontecerá este ano no dia 23 de novembro, é o momento em que muitos varejistas aproveitam para ampliar suas vendas, desafogar seus estoques e conquistar novos clientes.


Para ter uma boa atuação no período, que movimentou mais de R$ 2,1 bilhões em vendas no país em 2017, cerca de 5% do total transacionado no ano de 2017, e cresce mais a cada ano, os lojistas devem se preparar adequadamente para aproveitar a maior predisposição dos consumidores a comprar e atender às suas expectativas a fim de iniciar um relacionamento que pode ser consolidado após a data. Felipe Dellacqua, VP de Vendas da VTEX, empresa global de digital commerce, reuniu 6 dicas para ajudar os varejistas a otimizar as vendas e evitar imprevistos durante o período. A VTEX hoje representa cerca de 25% do volume do varejo online no Brasil. Confira as orientações:

Amplie seu prazo de entrega dos produtos

De modo geral, o sucesso na Black Friday se dá com uma preparação logística prévia para evitar a captação de pedidos em excesso e, com isso, criar um gargalo de entrega. Neste sentido, é desejável que o varejista amplie seus prazos de entrega com o objetivo de ter melhores margens para gerenciar seus processos até que o produto esteja, de fato, nas mãos do consumidor. O ideal é que este prazo seja estendido para a semana que precede a sexta-feira e, em alguns casos, para a semana seguinte, uma vez que cada vez mais lojas contam com ofertas que perduram por mais tempo.

“É preciso ter em mente que mais do que vender o produto, é preciso entregá-lo no prazo adequado. Essa ação está diretamente ligada à criação de relacionamento pós-venda com o cliente, questão que o varejista deve ter como foco durante o período, muito mais do que o faturamento em si. É a oportunidade de um prospect se tornar seu cliente, em um primeiro momento com um ticket médio mais baixo e, a partir de um trabalho de relacionamento, ele possa voltar a comprar em épocas de margem maior, fora das sazonalidades”, afirma Dellacqua.

Amplie seus fornecedores de logística

É comum as empresas, principalmente as de médio porte, terem uma ou duas transportadoras parceiras para a distribuição de seus produtos. O problema é que, durante a Black Friday, esses fornecedores tendem a ficar congestionados devido ao grande volume de pedidos. Para evitar deixar seus clientes na mão, é importante ter um plano B definido e contratos com outras empresas para desafogar a sua logística e ter escoamento dos seus pedidos.

Ofereça kits atrativos para aumentar a margem

Outra grande preocupação durante a Black Friday é disponibilizar opções atrativas aos consumidores sem queimar as margens de lucro. Para isso, a principal alternativa é a oferecer promoções de kits de produtos que contemplem um de baixa margem com alto desejo com outro de alta margem com baixo desejo, como um aparelho celular junto com um acessório, como uma capa com bateria extra. Desta maneira, é possível disponibilizar uma redução percentual atrativa ao consumidor e evitar que as ações durante o período tenham como resultado apenas a queima de estoque e prejuízos. O mesmo pode ser feito com aparelhos televisivos, com a venda casada de um suporte articulado, por exemplo.

Ofereça mais opções de entrega

Cada vez mais os consumidores estão imediatistas e, portanto, desejam ter acesso ao produto comprado o quanto antes. Nesse sentido, disponibilizar diversas opções de entrega pode ser um diferencial na hora de estabelecer um relacionamento com o cliente durante a Black Friday. Possibilitar a retirada do produto comprado online na loja física mais próxima, por exemplo, pode ser uma boa alternativa para atender essa expectativa.

Além da comodidade para o cliente, a iniciativa transmite segurança no acesso ao produto no momento desejado e, ainda, permite que o vendedor utilize a informação do produto vendido para oferecer outro complementar, realizando um upsell – venda casada – e otimizando as vendas. É importante ter em mente que cerca de 30% dos consumidores que compram online e retiram na loja acabam levando um outro produto ao ter essa experiência no ponto físico.

Outra opção de entrega expressa é estabelecer parcerias com companhias de moto e, até mesmo, bicicletas – opção sustentável – para otimizar sua entrega por meio de transporte alternativos.

Torne a indústria uma aliada para evitar rupturas de estoque

A Black Friday acaba aumentando o impulso de compra do consumidor, o que torna muito difícil criar uma previsibilidade de vendas no período e, consequentemente, ter um estoque adequado que atenda todos os pedidos. Para evitar qualquer tipo de problema e ter um resguardo, se conectar com a indústria pode ser uma boa alternativa. Por exemplo, se você é um varejista que vende produtos televisivos e o produto de determinada marca esgotou, o fato de ter sua loja linkada no estoque da própria indústria pode evitar rupturas e possibilitar mais vendas.

A plataforma da VTEX, por exemplo, já é um marktplace nativo que possibilita aos clientes conectar seu estoque e catálogo entre todos os parceiros da companhia, incluindo a indústria. Desta maneira, eles têm a segurança de estoque no acesso a produtos de alto desejo.

Aumente significativamente o atendimento do seu SAC

O SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) também é um ponto que deve ter atenção redobrada no período. Há dois momentos em que o SAC geralmente congestiona. O primeiro é devido a dúvidas sobre os produtos antes da compra e, o segundo, para mais informações sobre a entrega. Como naturalmente há mais pedidos do que o normal, o volume do SAC aumenta e faz-se necessário expandir o turno ou a quantidade de colaboradores envolvidos no processo.

Fonte: No Varejo