As perspectivas de vendas para o Natal deste ano refletem os sinais recentes da gradual recuperação econômica do País. É o que aponta um estudo do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), que mostra que o feriado movimentará R$ 51,2 bilhões na economia. De acordo com os dados levantados, 73% da população (110,8 milhões de consumidores) vai presentar alguém neste fim de ano, representando uma leve melhora em relação ao Natal do ano passado – em 2016, a projeção foi de 107,6 milhões de pessoas. Cada consumidor pretende gastar em média R$ 103,83 por presente, valor que deve ser superado em Brasília.

Brasília recebeu, nos dias 24 e 25, a terceira edição do Fórum Nacional do Comércio, evento que já é referência no País. Realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pela Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF), o encontro debateu o papel do varejo na retomada do crescimento econômico. O fórum contou com a presença de especialistas e dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira, e do Desenvolvimento Social, Osmar Terra. Na avaliação deles, a “recessão acabou” e o País está pronto para avançar.

Todos os anos, a Fundação da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF) realiza a Campanha do Natal, a fim de favorecer crianças e adolescentes carentes do DF que utilizam creches e abrigos assistidos pela entidade. A Fundação convida toda a sociedade civil e empresas a contribuir. Para apadrinhar um dos 300 beneficiados, basta comprar os seguintes itens novos, que vão compor o kit de presentes:

Na manhã desta quinta-feira (26), foi eleita por aclamação a nova presidência da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) para o triênio 2018/2020, em Assembleia Geral Ordinária (AGO), realizada em Brasília. O empresário mineiro José César da Costa será o novo presidente, e um dos vices será o atual presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF), José Carlos Magalhães Pinto.

No Distrito Federal, setembro fechou com a maior alta do ano no número de dívidas em atraso nas contas de água e luz. Os dados são do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), divulgados na capital pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do DF, e fazem uma comparação com os números apurados no mesmo mês de 2016. O aumento foi de 151,44%. Enquanto isso, outros setores apontaram queda nas dívidas, como bancos (4,26%), comunicação (3,58%) e comércio, com 8,72% a menos.